SPECIALISTERNE NETWORK

International Specialisterne Community

Specialisterne Foundation

Specialisterne Foundation is a not-for-profit foundation with the goal to generate meaningful employment for one million autistic/neurodivergent persons through social entrepreneurship, corporate sector engagement and a global change in mindset.

SPECIALISTERNE FOUNDATION

l
l

Segurança sensorial (II): a importância da tranquilidade

nov 17, 2023

Os efeitos prejudiciais do ruído na saúde física e mental estão bem documentados. Também tem um impacto negativo no desempenho cognitivo e na memória. A pesquisa indica que o silêncio, por outro lado, pode ser benéfico para o nosso sistema nervoso, níveis de energia e adaptabilidade geral a ambientes complexos. Além disso, ajuda a restaurar e condicionar nossas mentes para responder melhor às demandas da vida e do trabalho. Num ambiente de trabalho acelerado e exigente, criar oportunidades de silêncio é essencial para recuperar energia e melhorar a produtividade.

 

O silêncio está associado ao desenvolvimento de novas células no hipocampo, a região do cérebro crucial para a aprendizagem e a memória. O silêncio também é mais eficaz do que a música “relaxante” para estabilizar os sistemas cardiovascular e respiratório. A pesquisa sobre escritórios abertos fornece evidências contundentes de que as desvantagens do ruído e da distração superam os supostos benefícios, como o aumento da colaboração.

 

Culturas de tranquilidade

 

A criação de culturas organizacionais que valorizem e priorizem o silêncio e a segurança sensorial como parte da estratégia de inclusão, e especificamente da neuroinclusão, requer transparência e participação dos funcionários. É importante ter conversas claras e abertas sobre as expectativas das normas de empatia e consideração, conectividade constante, colaboração e disponibilidade de espaços para concentração no trabalho.

 

Essas conversas também estão relacionadas a questões culturais mais complexas, como o nível de conforto com o silêncio e a importância da concentração ininterrupta e do tempo disponível para trabalhos profundos. A menos que estas questões culturais mais complexas sejam abordadas, é improvável que as organizações se concentrem verdadeiramente na segurança sensorial.

 

As culturas empresariais ocidentais há muito que dão prioridade a ir de reunião em reunião e a “parecer ocupado”, muitas vezes em detrimento da produtividade real. Focar na produtividade e nos resultados exige a criação de ambientes que permitam focar no trabalho. No mínimo, as organizações devem fornecer espaços protegidos e suficientes para trabalhos profundos, separados de áreas movimentadas.

 

Algumas tarefas são inerentemente mais estimulantes do que outras, e algumas pessoas precisam de mais estímulo do que os seus colegas de trabalho. É importante proporcionar espaços estimulantes para estes últimos, sem prejudicar pessoas e atividades que exijam concentração tranquila.

 

A nível prático, as organizações neuroinclusivas podem tomar várias medidas para prevenir a sobrecarga sensorial no local de trabalho:

 

  1. Identifique possíveis gatilhos. As organizações (envolvendo funcionários neurodivergentes) devem realizar avaliações regulares para identificar potenciais desencadeadores de sobrecarga sensorial, tais como níveis elevados de ruído, iluminação não regulável, odores fortes e espaços de trabalho lotados.

 

  1. Aplicar controles. Uma vez identificados os gatilhos, as organizações podem aplicar controles como instalação de materiais absorventes de som, reorganização do layout do espaço de trabalho para reduzir o ruído, ajuste dos níveis de iluminação (instalação de reguladores de intensidade é uma prática que permite um uso flexível e confortável) e a criação de ambientes de trabalho com cores neutras onde cores e padrões adicionais podem ser introduzidos com acessórios facilmente removíveis. Melhorar a ventilação e garantir a remoção rápida do lixo pode ajudar a controlar odores fortes. A redução da superlotação pode ser alcançada com melhor planejamento e programação, ou com mudanças necessárias na disponibilidade, alocação e uso do espaço.

 

  1. Fornecer treinamento e educação. Os funcionários devem ser treinados sobre as causas e os efeitos da sobrecarga sensorial. Colegas neurotípicos ou colegas sem necessidades sensoriais específicas geralmente minimizam as preocupações de pessoas sensíveis aos sentidos e fazem afirmações como “todos nós nos incomodamos com barulho”, “meu perfume não é tão forte” ou “preciso da minha música para me concentrar”. É importante comunicar que as necessidades sensoriais são muito mais do que preferências ou considerações do tipo “está tudo na sua cabeça”. As organizações neuroinclusivas garantem que as normas culturais justas e atenciosas (por exemplo, conter cheiros fortes e ouvir música com fones de ouvido) sejam compreendidas e seguidas.

 

  1. Foco na flexibilidade. Oferecer horários flexíveis e opções de trabalho remoto reduz a necessidade dos funcionários estarem em um ambiente estimulante por longos períodos.

 

  1. Criar ambientes seguros para revelar sensibilidades. Normalizar a aceitação das diferenças sensoriais e responder às preocupações com cuidado e consideração.

 

  1. Oferecer adaptações. Oferecer acomodações para funcionários com sensibilidade sensorial, como iluminação ajustável, espaços silenciosos, fones de ouvido com cancelamento de ruído ou trabalho híbrido e remoto. Na medida em que a natureza do trabalho permitir, disponibilizar o mesmo tipo de flexibilidade para todos os funcionários.

 

A criação de um ambiente mais favorável aos sentidos para os funcionários é um aspecto importante da inclusão. Também é provável que aumente a satisfação no trabalho e melhore a saúde e o bem-estar dos funcionários, bem como, a produtividade e a retenção.