SPECIALISTERNE NETWORK

International Specialisterne Community

Specialisterne Foundation

Specialisterne Foundation is a not-for-profit foundation with the goal to generate meaningful employment for one million autistic/neurodivergent persons through social entrepreneurship, corporate sector engagement and a global change in mindset.

SPECIALISTERNE FOUNDATION

l
l

Os seus colaboradores autistas podem sofrer flutuações de energia e capacidade

set 27, 2023

Independentemente do neurotipo, todas as pessoas têm dias bons e dias ruins. Os prazos de trabalho, os problemas de relacionamento, as preocupações financeiras e os problemas de saúde podem afetar a capacidade e a energia de uma pessoa no ambiente de trabalho.

 

No entanto, no caso dos seus colaboradores autistas, as flutuações dos níveis de energia e das capacidades podem ser mais complexas. Para além das dificuldades enfrentadas pelos nossos colegas neurotípicos, nós, autistas, temos de lidar com a sobrecarga sensorial, o mascaramento, os problemas crônicos de saúde, os bloqueios e uma coisa chamada burnout autista.

 

Apesar das pessoas neurotípicas e autistas viverem no mesmo mundo, vivem-no de forma muito diferente. Consequentemente, muitas das nossas dificuldades passam despercebidas até já não conseguirmos esconder ou mascarar as nossas reações físicas e emocionais.

 

E quando chegamos a este ponto, já estamos a caminho do nosso limite.

 

 

Mascaramento Autista – Um Mecanismo de Sobrevivência que Pode Dar Errado

 

Muitas pessoas autistas mascaram-se ou camuflam-se. Isto significa que escondemos as nossas características autistas e fazemos o nosso melhor para falar, agir e parecer neurotípicos.

 

Não o fazemos com a intenção de enganar, mas sim de sobreviver.

 

A muitos de nós, especialmente àqueles que foram identificados como autistas mais tarde na vida, foi dito, direta ou indiretamente, que as nossas características autistas são inaceitáveis. Assim, ao longo do tempo, o mascaramento torna-se um mecanismo inconsciente que desenvolvemos para evitar sermos corrigidos, ridicularizados ou cronicamente maltratados.

 

Embora o mascaramento possa ajudar-nos a conseguir um emprego para o qual estamos qualificados e treinados, também pode levar-nos a ignorar as nossas próprias necessidades, ao ponto de não vermos os sinais de esgotamento iminente até que seja tarde demais.

 

Além disso, devido a interações negativas anteriores com outras pessoas, podemos ter uma tendência arraigada de ser cautelosos ao expressar as nossas necessidades e limites, o que pode acelerar o nosso caminho em direção a um bloqueio emociona ou a um shutdown.

 

Burnout autista – Como é que difere do Burnout neurotípico

 

Burnout é algo que pode acontecer com qualquer pessoa, mas para pessoas autistas suas causas (e soluções) geralmente são diferentes daquelas de pessoas neurotípicas.

 

Por exemplo, uma pessoa neurotípica pode sofrer de esgotamento pelos motivos que mencionei acima: estresse no trabalho, problemas familiares, problemas de saúde, falta de exercício e descanso, etc.

 

Embora todos estes fatores possam também afetar as pessoas autistas, existe frequentemente o stress adicional das sensibilidades sensoriais, da falta de apoio, da falta de compreensão e dos contínuos mal-entendidos entre os diferentes neurotipos. Este é um fardo diário que a maioria dos seus empregados neurotípicos nunca experimentará.

 

Em relação à recuperação do burnout, muitas pessoas neurotípicas conseguem recuperar o equilíbrio emocional após longas férias, diminuindo a demanda de trabalho e/ou ajustando a alimentação e o sono.

 

No entanto, quando as pessoas autistas atingem o ponto de esgotamento, são necessários meses ou mesmo anos para recuperar totalmente, e a nossa recuperação é muito mais complexa.

 

É por isso que é tão importante evitá-lo!

 

Como você pode ajudar seus funcionários autistas

 

Uma das melhores maneiras de ajudar o seu funcionário autista que tem altos e baixos nos seus níveis de energia e capacidades é evitar assumir que as suas ações têm intenções neurotípicas.

 

Por exemplo, assumir que o seu empregado autista chega atrasado, sai mais cedo, falta ao trabalho, comete erros ou está de mau humor devido a preguiça, desinteresse pelo trabalho ou fracasso pessoal pode ser prejudicial.

 

Também é importante evitar presumir que ele ou ela está a “fingir” ou a tentar fugir à responsabilidade quando parece estar a ter dificuldades em tarefas que costumava considerar fáceis ou não mostra o entusiasmo que costumava ter.

 

Em vez de fazer suposições que possam acelerar o burnout, ofereça apoio, reduza as demandas, forneça acomodações e sugira sessões de atualização para competências em declínio.

 

Além disso, permita que seu funcionário autista trabalhe em casa durante parte da semana e ofereça-lhe a opção de um horário de trabalho mais flexível.

 

 

Conclusão

 

Níveis reduzidos de energia e habilidade são comuns em pessoas autistas e não são sinais de preguiça ou mesmo de “desmotivação encoberta”. Seus funcionários podem precisar apenas de um pouco de apoio extra e não têm certeza de como solicitá-lo, ou mesmo de que precisam dele.