SPECIALISTERNE NETWORK

International Specialisterne Community

Specialisterne Foundation

Specialisterne Foundation is a not-for-profit foundation with the goal to generate meaningful employment for one million autistic/neurodivergent persons through social entrepreneurship, corporate sector engagement and a global change in mindset.

SPECIALISTERNE FOUNDATION

l
l

Os Especialistas: Gerard

jul 7, 2023

“O grau de envolvimento de todos na Casa Batlló é inquestionável”

 

Gerard Gras (27 anos) se define como uma pessoa “extrovertida” e “aberta a todo tipo de novas experiências”: adora viajar, jogar tênis ou basquetebol com os amigos, se prepara para correr maratonas cada vez mais ambiciosas, é voluntário, toca piano, vai ao teatro, aprende novos idiomas… sua lista de hobbies é praticamente infinita. E, além disso, está sempre disposto a ajudar o próximo, a ouvir os conselhos dos colegas para aprimorar seu desempenho profissional e, enfim, a se superar diariamente para realizar seu sonho: trabalhar como intérprete simultâneo em grandes eventos. Hoje, Gerard nos conta a sua história de vida, os seus sonhos e os seus objetivos mais pessoais.

 

“Tive uma infância muito feliz”

 

Gerard foi diagnosticado com “Asperger” (em suas próprias palavras) aos 2 ou 3 anos de idade, porque seus pais detectaram “alguns tiques e comportamentos diferentes” e queriam que ele fosse avaliado por um psicólogo. No entanto, conta que teve uma infância “muito feliz”, e que as dificuldades na escola foram mínimas: “Eu gostava muito da escola. Tinha um pouco de dificuldade para me concentrar quando as crianças estavam mais agitadas, mas não me lembro de nenhum problema maior nessa fase.”

 

Desta fase, recorda com especial carinho algumas atividades extracurriculares que o ajudaram a “se abrir mais com os outros”: “Durante muitos anos frequentei um curso de teatro. Graças à dinâmica de grupo, aos poucos fui me integrando mais à equipe e aprendendo a me expressar publicamente e a desempenhar diferentes papéis. Também fiz judô e adorei. Além disso, é um esporte altamente recomendado para pessoas com autismo”.

Mas Gerard também gostava muito de seus momentos sozinho, praticando novas partituras ao piano ou assistindo filmes de animais por horas em diferentes partes do mundo. Sempre foi muito bom em música, e até mesmo seus amigos e familiares o incentivaram a se dedicar a ela: “Tocava as peças de memória, reproduzia simplesmente ouvindo, e também sabia improvisar. Mas depois pensei que me dedicar ao piano era algo muito sacrificante, e que era um trabalho para pessoas que tinham isso muito claro”. O clima era outra de suas grandes paixões de infância: “Nos anos 2000, lançaram uma ‘Enciclopédia de Meteorologia’ em algumas revistas que saíam junto com o jornal, e eu adorava. Meus pais compraram todas as edições. Aprendia os conceitos básicos e muitas outras coisas.”

“Tudo que eu não fiz, ninguém me deu”

 

Na adolescência, Gerard passou por uma fase difícil. No ensino médio, as habilidades sociais tornam-se mais importantes, e certos grupos de amigos são mais propensos a excluir o diferente, aquele que não se encaixa tão bem com o resto. Gerard nos conta sobre sua experiência: “Durante o terceiro e quarto ano do ensino médio, recebi comentários negativos de colegas e alguns tratamentos que levaram ao bullying na escola. Acho que muitas pessoas com autismo já passaram por isso. Além disso, não sinto que os professores me ajudaram. É preciso intervir mais nos institutos, para ajudar mais os alunos. Tudo que eu não fiz, ninguém me deu”.

 

Depois de terminar o ensino médio (“Fiz humanas, claro, queria evitar matemática a todo custo!”), chegou o momento decisivo: a que vamos dedicar o resto de nossas vidas? E o que devemos estudar para alcançá-lo? Gerard foi bastante claro sobre isso: “Eu me sentia muito atraído por idiomas, especialmente o inglês. Fiz a licenciatura em Filologia Inglesa na UB, durante uns 5 ou 6 anos porque às vezes me faltava mais disciplina, e, mais tarde, o mestrado em tradução na UPF. Eu gostava muito de assuntos de história: das colônias britânicas ou da literatura pós-colonial. E as histórias de fonética ou fonologia eram mais difíceis para mim, que eram mais tediosas. Mas estou satisfeito com o conhecimento global da carreira”.

 

Graças ao estudo do inglês, viajar se tornou um de seus principais hobbies: “Fui a Eastwood por duas semanas para fazer cursos de inglês e depois estive em dois campos de trabalho, um na Áustria e outro na Grécia. Foram experiências muito enriquecedoras. Tudo era para ajudar um pouco as crianças, eram aldeias com um pouco mais de dificuldade, e, na periferia de Atenas, estávamos num bairro mais pobre. Éramos voluntários internacionais e procurávamos brincar com as crianças, fazer atividades em grupo e também passear, se pudéssemos”.

Ainda criança já havia iniciado alguns esportes, mas, já na idade adulta, se interessou pela corrida: “Senti-me muito identificado com o Jerry, outro Especialista que a Specialisterne publicou recentemente. Para mim correr é muito importante. Se fico dois dias sem correr percebo que meu humor, meu equilíbrio e meu entusiasmo simplesmente não são os mesmos. Já participei de duas maratonas e gostaria de fazer mais. São cerca de 43 quilômetros, e tem que se preparar muito, mas nós que nos dedicamos a isto aguardamos sempre a próxima prova com muito entusiasmo”.

“O grau de envolvimento de todos na Casa Batlló é inquestionável”

 

Gerard deu seus primeiros passos no mundo do trabalho como professor de inglês em uma academia em Manresa, e depois começou a preparar seu próprio material de treinamento para dar aulas particulares. Ele conta que nunca precisou de adaptações específicas em nenhum ambiente de trabalho: “Acho que a gente tem que focar no que a gente faz bem, e isso tira o nervosismo. Além disso, tenho mascarado muito, já aprendi muitas coisas e não hesito tanto ao fazê-las. Embora às vezes eu seja um pouco preguiçoso e me custe um pouco para ser específico. Mas no final eu posso fazer as coisas, como todo mundo, eu chego lá e pronto”.

 

Graças ao seu psicólogo, Gerard entrou em contato com a Specialisterne e em pouco tempo fez um teste para entrar no projeto Casa Batlló: “O melhor dos processos seletivos da Specialisterne é o nível de detalhamento, fazendo jus ao seu slogan ‘Paixão pelos detalhes’. Nesse questionário inicial nos colocaram questões relacionadas com a minha formação, coisas de personalidade, hobbies etc., e tudo com o objetivo de conhecer as pessoas que vão aderir ao projeto e encontrar o melhor encaixe possível”.

 

Além disso, ele explica que o projeto da Casa Batlló foi uma grande virada em sua vida: “Adorei começar a trabalhar aqui e o grau de envolvimento de todos é inquestionável. Eu também queria mencionar o coaching; existem diferentes tipos de apoio, digamos assim, tanto psicólogos individuais, redes de apoio e outros tipos de acompanhamento. A ideia é que ajuda não falte para quem quiser pedir, simples e importante assim”.

 

“Eu gosto de me conectar com os outros”

 

Um pouco mais tarde, e visto que Gerard tinha estudado filologia inglesa e um mestrado em tradução, Specialisterne lhe ofereceu a oportunidade de colaborar na equipe de Comunicação como tradutor. Gerard está muito grato por esta oportunidade porque lhe permite “continuar aprendendo dia a dia. Além disso, é uma porta de entrada muito boa para outros cargos ou para ir para o exterior depois, que é outro dos meus sonhos”.

 

Porque, qual seria o trabalho ideal de Gerard? Ele é bem claro: “Gostaria muito de me dedicar à tradução simultânea. Você está em uma conferência ou em lugares como esse e traduz simultaneamente de um idioma para outro. Com minha irmã fingíamos estar em conferências das Nações Unidas e outros grandes eventos, e eu sempre dizia: quero me ver lá, quero fazer isso”.

 

Ou, pelo menos, gostaria que o seu trabalho fosse “dinâmico” (como “freelancer”, por exemplo, em vez de tarefas mais rotineiras) e que estivesse em contato constante com as pessoas, pois, apesar do estereótipo do autista solitário e introvertido, Gerard define-se como “extrovertido, que quer partilhar as coisas com as pessoas, tanto pessoal como profissionalmente. Gosto de me conectar com outras pessoas, de estar em projetos com outras equipes. Porque, no fundo, eu acho que fazer atividades sozinho e sem falar com ninguém me prejudica, ao invés de me beneficiar”.