SPECIALISTERNE NETWORK

International Specialisterne Community

Specialisterne Foundation

Specialisterne Foundation is a not-for-profit foundation with the goal to generate meaningful employment for one million autistic/neurodivergent persons through social entrepreneurship, corporate sector engagement and a global change in mindset.

SPECIALISTERNE FOUNDATION

l
l

Inclusão, reciprocidade, convivência

out 10, 2022

A inclusão como processo baseado na reciprocidade; superação do modelo paternalista de inclusão em prol de uma real convivência das diferenças que compõem nossa sociedade; garantia do direito de autorrepresentação e autodeterminação no trabalho das categorias marginalizadas.

Esses foram os principais temas da palestra que tive na terça-feira para apresentar o trabalho da Specialisterne durante a Dynamo Academy, que aconteceu dentro do Festival de Desenvolvimento Sustentável. A Dynamo Academy é uma Empresa Social que nasceu dos valores do Dynamo Camp, e há 15 anos apoia e acompanha jovens, gestores, empresas e outras organizações na busca do Bem Comum, Inovação Social e práticas relacionadas à Sustentabilidade.
Neste contexto, foi particularmente importante que tanto eu como a oradora que me precedeu, Maria Grazia Zedda, gestora de Diversidade & Inclusão da empresa HS2 e pessoa com deficiência, enfatizássemos incansavelmente a importância do modelo social da deficiência. É um modelo que também pode ser aplicado às neurodivergências, e que liberta a pessoa com deficiência e neurodivergente de ter que suportar todo o peso de uma inclusão muitas vezes vertical, na qual não tem voz.

A visão que muitas vezes acompanha a diversidade, inclusive a que diz respeito aos corpos, mentes e sentidos das pessoas, tende a conceber tudo o que se desvia da média como inferior, como algo a ser reparado. Muitas vezes imaginamos que a deficiência é um atributo da pessoa
e tentamos reparar o que é percebido como um defeito, um déficit.

O modelo social, nascido no final dos anos 70 pelas pessoas com deficiência – portanto proposto por aqueles que vivenciam certas condições de exclusão na primeira pessoa – explica que uma coisa são as características físicas, mentais ou sensoriais da pessoa (que certamente
podem ser problemáticas, em alguns casos), outra é o conceito de deficiência, que surge quando uma pessoa com determinadas características colide com as barreiras (sejam elas físicas, sensoriais, psicológicas, sociais etc.) que uma sociedade construída em torno de um
ideal de ser humano médio, coloca em seu caminho.

E é justamente aqui que se encaixa a Specialisterne, ao tentar eliminar aquelas barreiras que estão constantemente presentes no mundo do trabalho, um mundo de processos e ambientes altamente padronizados e, portanto, nem sempre acessíveis a pessoas com características
distantes da média, como as pessoas autistas. Porque não basta formar uma pessoa autista e prepará-la para entrar no mundo empresarial, se esse mundo, esse ambiente, é incapaz de compreender o seu modo de ser, de valorizar as suas capacidades.

Reciprocidade do processo de inclusão para uma ideia de convivência em que as diferenças são fonte de riqueza, reciprocidade porque esse processo não pode ser unidirecional, mas deve ser bidirecional, devemos ir em direção ao outro, tentar entender o mundo do outro sem julgar, mas olhando o que não conhecemos como uma oportunidade de enriquecimento pessoal e profissional.

E nesse processo de convivência mútua também na empresa, a escuta é fundamental. Nunca devemos dar como certo saber o que uma pessoa autista pode precisar da mesma forma que não daríamos como certo para uma pessoa neurotípica: porque os autistas são todos
diferentes, assim como todos os demais. Não pode haver inclusão profissional sem uma relação de igualdade em que os termos de sua inclusão sejam também e sobretudo as pessoas que até agora foram excluídas, deixadas de lado e não ouvidas.
Só assim a inclusão pode ser uma verdadeira vantagem para todos: para a pessoa autista, para a empresa que enriquecerá suas equipes com diferentes talentos, novas visões, e para a sociedade como um todo, porque uma vez que saímos do escritório, a riqueza adquirida
através dessa convivência será levada conosco para casa, para nossas vidas, para o mundo.

(Fabrizio Acanfora, pessoa autista, responsável pela comunicação e relações externas da
Specialisterne Itália)