SPECIALISTERNE NETWORK

International Specialisterne Community

Specialisterne Foundation

Specialisterne Foundation is a not-for-profit foundation with the goal to generate meaningful employment for one million autistic/neurodivergent persons through social entrepreneurship, corporate sector engagement and a global change in mindset.

SPECIALISTERNE FOUNDATION

l
l

Gênero, mulheres autistas e o mercado de trabalho

out 17, 2022

Antes de abordar o tema central deste artigo, devemos fazer algumas considerações sobre gênero.

Certamente muitas pessoas autistas que lêem essas linhas se perguntaram milhares de vezes: O que exatamente significa ser mulher? Tem a ver com características performativas (ou seja, como agimos em sociedade) ou com algo inerente ao próprio ser? E o que significa ser homem? As categorias “homem” e “mulher” são simplesmente construções sociais e, portanto, suscetíveis a serem desconstruídas, ou tem algo mais por trás dos papéis de gênero?

Eu e as pessoas a minha volta fazemos constantemente essas perguntas, e tudo por uma simples razão: as pessoas autistas tendem a ter uma relação particular com o gênero. Em geral, as regras impostas de “fora” (ou seja, as fórmulas acordadas pela sociedade) podem ser confusas, sem sentido, sem um propósito claro. Não entendemos que o contato visual tem tanta importância (ouvimos melhor olhando para longe), e a conversa banal nos incomoda soberanamente. Além disso, em termos de gênero, muitas vezes questionamos por que brinquedos ou tipos de roupas estão associados a uma categoria específica (masculino ou feminino), por que devemos agir de formas diferentes se nascemos com um genital ou outra, ou por que a tradicional família nuclear monogâmica cis heterossexual é a única (e a melhor) possível. Em suma, muitos de nós percebemos o gênero como um espectro, em detrimento de uma concepção binária que pode ser ultrapassada ou desprovida de qualquer lógica.

As convenções sociais são praticamente abrangentes, e para os neurotípicos parece relativamente fácil (com exceções, obviamente) cumpri-las, assumir que o gênero é definido por uma série de regras mais ou menos rígidas e agir de acordo com elas. Mas para os autistas (pelo menos, os que conheço) é muito mais complicado encontrar sentido em tudo isso e integrá-lo como parte do próprio ser. Portanto, é muito mais frequente que a população autista faça parte do LGBTQI+ coletivo e/ou que tenha uma relação particular com o gênero. Há até ativistas que cunharam o termo “autigênero” para explicar como ambos os conceitos estão interrelacionados em certos autistas (sua maneira de ver gênero não pode ser separado de seu autismo, e vice-versa), ou “máscara de gênero”, que se refere ao nosso esforço para realizar uma série de atitudes masculinas ou femininas (como o caso) para melhor se adaptar à sociedade.

 

O papel das mulheres na sociedade

Como pode ser inferido na seção anterior, neste momento não falarei apenas sobre mulheres cis; falarei também sobre mulheres trans, bissexuais, andróginas, não binárias, lésbicas ou femmes, e tudo o que se afasta das mulheres mais puramente normativas e padrão. Eu não deveria ter que fazer este ponto, mas é muitas vezes assumido que as únicas mulheres existentes são as cis heterossexuais brancas, de classe média alta, e neurotípicas. E devemos ampliar esse foco para atender mulheres que, por exemplo, não podem pagar um diagnóstico (ao ter um baixo nível socioeconômico; portanto, a partir do ativismo autista reivindicamos a validade do autodiagnóstico), ou que não são visíveis porque mal saem da cama por causa de seu sofrimento psíquico (mulheres psiquiátricas, por exemplo), ou que têm uma identidade de gênero dissidente e, portanto, pouco de acordo com a norma.

No entanto, não sendo capaz de cobrir tudo, vou focar apenas em pessoas percebidas como mulheres pela sociedade. Desde pequenos, aprendemos que as mulheres devem ser respeitosas, obedientes, complacentes, carinhosas, com alto senso de responsabilidade, sérias e educadas; é até bem visto que as mulheres sejam mais tímidas, pouco barulhentas, com iniciativa, mas até certo ponto (não muito competitivas, não perturbando hierarquias de poder), perfeccionistas e ordenadas. Mas aqui os problemas para as mulheres com TEA já começam, em ambas as direções: o subdiagnóstico é muito frequente, ou chegar ao diagnóstico na idade adulta (se a mulher em questão se encaixa nesse perfil de pessoa obediente e tímida com poucos amigos; ninguém se assusta com ela ou suspeita que ela está no espectro,  porque ela tem uma atitude “normal”, o que se espera dela de acordo com seu gênero), mas, por outro lado, mascarar também é muito comum  (para se encaixar nesse perfil de mulher perfeita que, inconscientemente, percebemos como o ideal, o desejado por todos).

Tanto o subdiagnóstico quanto o mascaramento têm consequências terríveis para as mulheres. No final, tentando nos adaptar a um mundo que percebemos como hostil, podemos desenvolver transtorno de estresse pós-traumático, ansiedade patológica, fobia social, perfeccionismo extremo ou distúrbios alimentares, entre muitas outras condições. Isso também será adicionado às características do TEA: nossa rigidez cognitiva, nossa literalidade na comunicação, nossa ingenuidade (somos mais propensos a abusos e negligência por parte de profissionais e colegas) ou nosso forte senso de justiça e moralidade (que podem gerar problemas ao tomar decisões pouco éticas no trabalho), entre muitas outras. Deve-se notar que estas são generalizações, uma vez que nenhuma das duas mulheres autistas são iguais, mas certamente muitas de nós se refletem em um ou mais dos pontos mencionados acima.

Por outro lado, é muito comum que nossas particularidades sejam vistas como falhas individuais, anomalias a serem redirecionadas, defeitos para curar (em terapias ABA, por exemplo, pessoas autistas têm sido forçadas há anos a olhar nos olhos, em vez de respeitar a diferença). E, em vez de buscar a inclusão forçada, de tentar integrar-se a uma sociedade capacitista que quer apagar nossas capacidades únicas para assumi-las em uma normalidade única e universal, deveríamos mudar o foco e simplesmente aprender a conviver, respeitando as particularidadesde cada um.

 

Como sobreviver ao mercado de trabalho?

É provável que, devido ao nosso passado (que muitas vezes inclui o bullying e o subdiagnóstico já mencionado, somado a outras negligências), assim como as demandas do mercado de trabalho (extremamente competitivo, e que recompensa a pessoa mais carismática e mais social e comunicativamente capaz, habilidades que geralmente são difíceis para as mulheres com TEA assumirem), acabamos desenvolvendo ansiedade e até depressões graves, por causa dessa tentativa de nos encaixarmos na norma e tentar agir de acordo com o que se espera de nós.

Na mesma linha, é frequente para as mulheres autistas a exaustão após socializar em reuniões de trabalho, os meltdowns e até mesmo burnouts devido ao excesso de mascaramento, excesso de sobrecarga por estímulos, a tendência de buscar aprovação constante de colegas e superiores, a sensação de ter que fingir um papel ou desempenhar um personagem para se encaixar (porque vemos que o homem extrovertido do escritório sempre triunfará mais do que nós, apesar de trabalhar muito mais horas do que ele e entregar relatórios perfeitos, detalhados e sem nenhum erro), a intuição de que o mercado de trabalho é governado pela competição, as mentiras, as aparências, a capacidade de passar uns sobre os outros ou de ter habilidades comerciais, e a intuição ainda mais esmagadora de que o mercado de trabalho deveria ser outra coisa; um mundo infinito de possibilidades,  um mundo que também recompensará as pessoas menos carismáticas, aos neurodivergentes, aqueles que se esforçam todos os dias para fazer seu trabalho da melhor maneira possível. Mas tendemos a sentir muita frustração porque vemos que ainda há um longo caminho a percorrer para chegar a isso.

Finalmente, resta-nos fazer uma pergunta: como poderia ser uma mulher autista em um ambiente de trabalho seguro, com colegas que a admiram, a respeitam e a entendem? Dependerá muito da personalidade e caráter de cada um, mas geralmente prestamos muita atenção aos detalhes, ajudamos os outros, trabalhamos incansavelmente se acreditamos no que estamos fazendo, lutar contra as injustiças, ser nobres, leais e honestas. Mas convido você a conhecer cada uma de nós individualmente e descobrir todo o potencial que, em muitas ocasiões, não teremos sido capazes de mostrar 100%.

 

(Artigo de Montse Bizarro, Specialisterne España).