SPECIALISTERNE NETWORK

International Specialisterne Community

Specialisterne Foundation

Specialisterne Foundation is a not-for-profit foundation with the goal to generate meaningful employment for one million autistic/neurodivergent persons through social entrepreneurship, corporate sector engagement and a global change in mindset.

SPECIALISTERNE FOUNDATION

l
l

Eu sou uma pessoa diferente desde que comecei a trabalhar na Specialisterne?

jan 10, 2023

Quando me pediram para escrever um artigo respondendo a essa pergunta, pensei: não irei conseguir nunca! Então, durante uma viagem de negócios, pouco a pouco, a resposta foi surgindo gradualmente em minha mente e, quando me dei conta, me peguei refletindo sobre toda a minha trajetória profissional antes de ingressar na Specialisterne.

Por muitos anos, trabalhei em empresas multinacionais das quais recebi muito, provavelmente mais do que dei. Tive um excelente salário, a oportunidade de visitar muitos países fora da Itália, uma trabalho estimulante e a oportunidade de colaborar com pessoas extremamente competentes.

No entanto, algo estava errado em cada manhã, quando eu me olhava no espelho e não ficava feliz em começar o dia de trabalho. Mas, talvez, eu deveria refletir sobre o que falei acima: salário excelente, possibilidade de viajar, trabalho estimulante…

Eu tinha um salário muito bom: sem dúvida. E isso me permitiu sair de uma situação financeira que, na época, era tudo menos tranquila. Nasci em uma família de trabalhadores. Volta e meia, eu e minha esposa lembramos que assim que nos casamos, só tínhamos o equivalente aos atuais 500 euros em nossa conta bancária. Se conseguimos dar aos nossos dois filhos a oportunidade de experimentar e realizar seus sonhos, é certamente graças ao que ganhamos ao longo dos anos.

Tenho viajado muito: isso também é verdade. Ainda me lembro das minhas primeiras viagens aos Estados Unidos que, para mim, vindo de uma cidade pequena, fora como o País da Maravilhas. Mas, o tempo passa e as prioridades mudam. Quando as crianças nasceram, eu me perguntei: é realmente melhor estar em Las Vegas do que ver os primeiros passos de Gaia? Tenho certeza de que é melhor ir para Amsterdã do que ir à final do torneio de basquete de Patrick?

E, chegamos ao último ponto, o trabalho estimulante. Mas, é realmente assim. A princípio, definitivamente. havia tanto para aprender, todos os dias eu conhecia novas pessoas para aprender algo. Com o passar do tempo, porém, o trabalho tornou-se monótono, uma sucessão de dias todos iguais: reuniões, planilhas de Excel, apresentações em PowerPoint. Não via nenhuma possibilidade de realmente influenciar a estratégia corporativa, que era decidida no exterior e derrubada de cima na Itália.

Claro, eu tinha meu belo título de duas linhas, algo que soava como: chefe de: LATAM, Norte da África, Chipre e Israel. E, no entanto, apesar desse título pomposo, não senti que estava deixando uma marca real na sociedade em que vivia. Nas empresas onde trabalhei no passado, havia programas assistenciais louváveis. Eu poderia passar algumas horas trabalhando como voluntário em uma instituição de caridade ou participar de eventos de arrecadação de fundos para uma boa causa. Mas isso, para mim, não seria suficiente para me levantar com a motivação certa todas as manhãs. 

 

E assim, decidi fazer uma mudança radical.

 

Antes de conhecer a Specialisterne, passei por um período que me permitiu adquirir uma boa consciência do que queria fazer quando “crescesse”. E assim, como costuma acontecer na vida, quando você se sente pronto, de repente surge a oportunidade certa. No meu caso, se manifestou através da minha amiga Laura, que começou a falar sobre a Specialisterne, uma empresa especializada em encontrar empregos para pessoas autistas, com objetivos sociais e não focado apenas no lucro.

O projeto me pareceu incrível, não só pelo claro impacto social da ideia, mas também pela sua sustentabilidade econômica. Então, resolvi fazer parte dela, e larguei tudo que fazia antes para me dedicar de corpo e alma a essa nova aventura.

Nessa linda história, porém, havia um pequeno problema: eu não tinha conhecimento algum sobre autismo. Todo meu conhecimento consistia em assistir a filmes dos anos 80 e algumas séries de TV mais recentes. Assim, a margem dos cinquenta anos, voltei a ser um trabalhador novato, e deixei-me guiar nesta nova experiência pelas pessoas fantásticas que compõem a equipe da Specialisterne.

Pessoas com P maiúsculo, com uma habilidade e dedicação ao trabalho que raramente encontrei no passado. Pessoas que, junto com nossas empresas parceiras, têm possibilitado encontrar cada vez mais oportunidades de trabalho para alunos no espectro autista que frequentam os cursos da Specialisterne.

Nossa equipe está crescendo a cada dia e é bom ver que cada pessoa que entra traz riquezas, novas experiências, outras visões para o grupo. Nós também passamos por momentos de dificuldade, cansaço e desânimo. Mas momentos que superamos com apoio mútuo e a motivação mais poderosa que encontrei: A consciência de que nosso trabalho pode dar a outras pessoas a oportunidade de criar uma vida economicamente independente e, em alguns casos, uma família.

Sinto um profundo sentimento de gratidão pelas pessoas com quem partilho o dia de trabalho. Porque me fazem crescer todos os dias, porque me dedicam a vida a um ideal em que acreditam profundamente e o fazem sem alarde e sem esperar nada em troca.

Hoje, tenho consciência de que todos os meus dias, o meu trabalho, mesmo que de forma pequena, contribui para a criação de um mundo mais justo. Um mundo em que todos possam ser independentes e ter oportunidades iguais independente de gênero , cor da pele, religião ou diferenças de qualquer tipo com relação a um padrão de referência que, sinceramente, não sei o que poderia ser.

 

Para responder à pergunta inicial: sou uma pessoa diferente desde quando comecei a trabalhar na Specialisterne? Sinceramente, não sei, mas sei que, finalmente, estou feliz em levantar todas as manhãs e começar os dias de trabalho.

(Alvise Casanova, Diretor Geral, Specialisterne Italia).