SPECIALISTERNE NO MUNDO

Rede internacional de escritórios

Specialisterne Foundation

A Specialisterne Foundation é uma fundação sem fins lucrativos com o objetivo de criar um milhão de empregos para pessoas com autismo / neurodivergentes por meio do empreendedorismo social, do engajamento do setor empresarial e de uma mudança global de mentalidade.

SPECIALISTERNE FOUNDATION

l
l

AUTISMO, NEURODIVERSIDADE E NEURODIVERGENTE

Somos todos neurodiversos!

 

Em 1998, a socióloga e ativista Judy Singer criou o termo neurodiversidade como sinônimo de biodiversidade neurológica. Assim como a biodiversidade indica a coexistência e diferenciação de várias espécies em um ecossistema, a neurodiversidade define a variação natural entre um cérebro e outro na espécie humana.

De acordo com essa ideia, portanto, somos todos neurodiversos precisamente porque, embora pertençamos à mesma espécie, não existem dois cérebros iguais.

 

Neurodivergente ou neurodiversidade?

 

Na infinita variedade caracterizada pela neurodiversidade humana, entretanto, algumas pessoas compartilham uma série de características em comparação com outras. Na verdade, a maioria dos indivíduos segue um desenvolvimento neurológico que, sem considerar as diferenças individuais, pode ser considerado típico. Essas pessoas são chamadas de neurotípicas.

Uma parte menor da população (que está entre 15 e 20%) compartilha um desenvolvimento neurológico em alguns aspectos diferente da maioria, descrito do ponto de vista estatístico como atípico. Essas pessoas são definidas como neurodivergentes ou neuroatípicas, e entre elas podemos encontrar indivíduos com autismo, dislexia, TDAH, síndrome de Tourette, discalculia, disgrafia, etc.

De acordo com essa ideia, portanto, somos todos neurodiversos precisamente porque, embora pertençamos à mesma espécie, não existem dois cérebros iguais.

Autismo

 

Desde 2013, com a quinta edição do DSM (o manual diagnóstico-estatístico da Associação Americana de Psiquiatria, APA), o autismo e a síndrome de Asperger se uniram sob uma única definição de “espectro do autismo“. A ideia por trás dessa mudança é que o autismo não é uma condição restrita por limites definidos, mas suas características (definidas como “sintomas” na linguagem médica) estão presentes em vários graus na população, mesmo entre pessoas neurotípicas. Quando várias dessas características estão concentradas em uma única pessoa, e com tal intensidade que afetam negativamente sua vida, então é possível chegar ao diagnóstico de transtorno do espectro do autismo.

Vemos aqui como a atual definição clínica do autismo está gradativamente se aproximando do paradigma da neurodiversidade, ou seja, a ideia de que diferenças na organização do sistema nervoso são um aspecto comum a toda a população.

O conceito de neurodiversidade nos permite considerar as diversas características neurológicas, sensoriais, comunicativas e sociais como diferenças naturais no desenvolvimento humano. Desta forma, quando estamos fora do campo clínico, nos afastamos de uma visão puramente médico-reparadora, estimulando uma interação entre as pessoas em que as diferenças não são necessariamente percebidas como um déficit.

Essa visão tem a vantagem de nos ajudar a observar as qualidades e características das outras pessoas sem julgá-las certas ou erradas. Desta forma, pessoas neurodivergentes e neurotípicas podem buscar formas de interação que não são impostas, mas que são o resultado de troca e compreensão mútuas.

Na Specialisterne acreditamos na reciprocidade do processo inclusivo que não pode ignorar a contribuição ativa de todas as partes envolvidas, sem julgar negativamente as diferenças para que se transformem em vantagens e possibilidades para todos.